Publicado por: jSaggiomo | 24/05/2010

Gestante e homem presos em elevador: Uninorte explica

Gestante e homem presos em elevador: Uninorte explica

Emails e telefonema de estudantes deram mais detalhes sobre o incidente que terminou sem consequências graves.

A Agência ContilNet divulgou na manhã de ontem, 20, nota relatando que uma mulher teria ficado presa em elevador da instituição universitária Uninorte, em Rio Branco. A notícia foi baseada em informações oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do Acre, que foi acionado para prestar assistência na resolução do problema.
No entanto, o trabalho dos Bombeiros não foi necessário, pois o acontecido, confirmado pela Assessoria de Imprensa da Uninorte na tarde desta sexta-feira, 21, foi resolvido rapidamente por funcionários da universidade.
Segundo Jucilene Souza, assessora de comunicação da Uninorte, o problema aconteceu motivado por uma oscilação da energia elétrica no local. Ela explicou que no momento do ocorrido duas pessoas estavam no elevador, que é de uso exclusivo de pessoas portadoras de necessidades especiais. Para fazer uso do elevador é necessário um cartão de acesso.
– Foi uma queda de energia que causou o problema, que não durou mais que três minutos. Tudo se resolveu rapidamente, antes da chegada dos Bombeiros. O trabalho para retirar os ocupantes do elevador ocorreu de forma tranquila, feito por funcionários da Uninorte e sem a necessidade de intervenção dos Bombeiros, que estiveram no local – explicou.
Os ocupantes do elevador eram uma mulher gestante de seis meses e um amigo da mesma. A Agência ContilNet não conseguiu contato com ambos, mas recebeu informações de estudantes quem presenciaram o momento e entraram em contato com a redação, via email e telefone. Atendendo um pedido das fontes, os nomes não serão revelados.
Pelo informado, a estudante grávida não sofreu ferimentos, mas ficou emocionalmente abalada. Já o estudante que a acompanhava teve um arranhão na perna, causado no momento de sua saída, pois teve dificuldades para passar pelo espaço por onde foi retirado.

Por email, estudante relata problema e diz que Uninorte não toma atitude

“Estudo na Uninorte a 4 anos e quando esse elevador foi ativado, teve algumas restrições, por isso ele só funcionaria para portadores de necessidades.
A moça que ficou presa hoje de manhã (ontem, 20) no elevador, tem 20 anos, está gestante de seis meses e para conseguir o cartão que daria direito ao uso do elevador teve que mostrar evidências concretas de que estava grávida mesmo com a barriga já grandinha.
O fato que ocorreu hoje (ontem), já vem sendo notificado à instituição há muito tempo, pois o elevador vive dando pane. Por diversas vezes estaciona em meio ao percurso, onde se desligam as luzes e a ventilação.
Nesta manhã de quinta-feira ele estava em uso normal, quando a moça em questão entrou no elevador junto com um amigo. Entre o 1º e 2º andar ele parou, foi descendo lentamente, em pequenos intervalos, até que parou totalmente.
Quando as luzes e o sistema de ventilação pararam totalmente, haja vista que o elevador NÃO tem nenhum sistema de emergência para que o socorro seja chamado em tais eventualidades, os dois estudantes permaneceram ali por cerca de 10 minutos, quando começaram a esmurrar a porta. No momento, por coincidência passavam outros dois alunos que ouviram os gritos de desespero da gestante e ligaram para o Corpo de Bombeiros e Samu. É importante frisar que nenhum desses dois órgãos compareceu ao local.
O resgate foi feito da seguinte forma: nós, companheiros de sala, e mais dois funcionários da faculdade conseguimos puxá-los do elevador com um espaço de apenas 40 cm.
O interessante é que mais uma vez, a instituição não se pronuncia, não toma nenhuma atitude, e o pior, não se preocupou com o estado em que a aluna ficou após o incidente.
Mais uma vez a indignação é o que fica, pois as mensalidades que pagamos não nos garante nem mesmo segurança.”

Telefonema conta outros detalhes

Uma ligação recebida pela Agência ContilNet na tarde desta sexta-feira, acrescentou detalhes sobre o imprevisto ocorrido com o elevador da Uninorte. Segundo a fonte, o elevador parou de repente e seu sistema de emergência não funcionou.
– Ele parou, desceu, e parou novamente com tudo. A porta se abriu e eles (que estavam dentro) ficaram vendo a parede do prédio – disse.
Contrariada com a versão de que houve queda de energia, ela questionou afirmando que as luzes dentro do elevador funcionavam, apesar da pane. A informação de que funcionários auxiliaram na retirada dos dois estudantes foi confirmada.

Outro email com mais informações

“Venho comunicá-los sobre o fato ocorrido na União Educacional do Norte- UNINORTE, onde o elevador apresentou problemas, colocando a vida de um rapaz e uma moça grávida, ambos de 21 anos de idade.
O ocorrido foi o seguinte: A estudante de Arquitetura e Urbanismo e o estudante de Ciências contábeis e Arquitetura e Urbanismo desta mesma instituição estavam indo ao ultimo andar do prédio do bloco D, onde no meio do caminho o elevador parou e desceu um pouco quase que bruscamente.
Logo depois os estudantes tentaram tocar a sirene do elevador, onde a mesma não funcionava e por conta disso entraram em desespero. Segundos depois a porta de dentro do elevador abria e fechava constantemente e o sistema do elevador comunicava-os que o equipamento deveria voltar ao piso inferior por conta do defeito. A partir daí os dois começaram a gritar pedindo socorro e bater na porta externa do elevador, com medo que o equipamento caísse de vez.
Foi quando por sorte uma estudante passava e ouviu os gritos de desespero e imediatamente comunicou aos bombeiros, que são especializados nesse tipo de acidente. Minutos depois funcionários da UNINORTE chegaram ao local falando para que os dois aguardassem que a energia se restabelecesse para que o equipamento voltasse ao funcionamento normal, mas as luzes e o painel de LCD de dentro do elevador estavam funcionando e todas as salas estavam tendo aula com as luzes e os ares-condicionados ligados. Será que realmente acabou a luz?
Logo em seguida os funcionários arrombaram a porta externa do elevador e visualizaram os alunos por um pequeno espaço por cima do elevador. A grávida estava em estado de nervo e o estudante apavorado. Foi aí que os funcionários desligaram a chave de luz do elevador para que o mesmo não entrasse em movimento na hora dos alunos passarem. Quando as luzes d elevador apagaram os estudantes pediram uma cadeira e subiram para passar por uma pequena brecha em cima do elevador.
A estudante não teve ferimentos além dos emocionais. Já o estudante que teve maior dificuldade para passar apresentou apenas um leve arranhão na perna. Logo em seguida os estudantes foram recepcionados pelos amigos e a instituição não deu nenhum auxilio médico para nenhum dos dois.
O corpo de bombeiros não participou do resgate. Talvez seja porque não deu tempo de chegar para ajudar na retirada dos estudantes.”

Fonte: ContilNet

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Categorias

%d blogueiros gostam disto: