Criança prende o pé em escada rolante em shopping de Ponta Grossa

Acidente aconteceu no começo da tarde desta terça-feira (15). Equipes do Corpo de Bombeiros foram mobilizadas Uma criança de oito anos de idade ficou ferida após prender o pé em uma escada rolante. O acidente aconteceu por volta das 14h20 no Shopping Palladium, na região central de Ponta Grossa.  A criança estava com a família quando acabou prendendo o pé na escada rolante do shopping … Continuar lendo Criança prende o pé em escada rolante em shopping de Ponta Grossa

Ação em Shopping alerta para uso seguro de elevador e escada rolante

Aurora Shopping recebe no dia 5 de outubro uma edição da “Faça a Coisa Certa”; gibis, games e vídeos vão reforçar cuidados com equipamentos de mobilidade No mundo imaginário das crianças, andar de elevador e de escada rolante é uma brincadeira divertida. Encantadas com o movimento desses equipamentos, elas adoram subir e descer de escada rolante, às vezes no sentido contrário, e deslizar pelo corrimão. … Continuar lendo Ação em Shopping alerta para uso seguro de elevador e escada rolante

Acidentes em escada rolante podem ser evitados com medidas simples

Falta de atenção e calçado inadequado são algumas das causas; ABTPé orienta como evitar lesões.Falta de atenção e calçado inadequado são algumas das causas de acidentes em escada rolante – Divulgação Por serem equipamentos populares e cômodos para locomoção, as escadas rolantes são presenças garantidas em shoppings, estações de trem e metrô, hotéis e aeroportos. Porém, elas não são tão inofensivas quanto parecem e podem … Continuar lendo Acidentes em escada rolante podem ser evitados com medidas simples

‘Meu papel é resistir e mostrar que existo’, diz universitária sobre andar de cadeira de rodas pelo Recife

Jéssica Pacheco tem condição conhecida como ‘ossos de vidro’ e utiliza cadeira motorizada para se locomover. De casa até a UFPE, ela se vê obrigada a dividir rua com carros. Cadeirante enfrenta desafios para ir de casa para a UFPE, no Recife As ruas da cidade do Recife não estão preparadas para pessoas com deficiência. É o que mostrou Jéssica Pacheco, estudante de arquitetura e urbanismo pela … Continuar lendo ‘Meu papel é resistir e mostrar que existo’, diz universitária sobre andar de cadeira de rodas pelo Recife

Com elevador quebrado, idoso desce escada com dificuldade no TI Tancredo Neves

Segundo a população, os elevadores e escadas rolantes não estão funcionando. O idoso desce de maneira lente para não cair da escada – Foto: Reprodução/TV Jornal Passageiros que passam pelo Terminal Integrado de Tancredo Neves, Região Metropolitana do Recife, denunciou através de um vídeo, nesta quarta-feira (18), a dificuldade que a população idosa enfrenta por não estar funcionando os elevadores e as escadas rolantes do … Continuar lendo Com elevador quebrado, idoso desce escada com dificuldade no TI Tancredo Neves

Agetransp identifica problemas de acessibilidade em estações de trem e metrô

Dificuldades de acessar estações da Supervia: um desafio para José Barbosa Foto: Diego Amorim
Sempre que o aposentado José Barbosa, de 78 anos, sai de Nova Iguaçu, cidade da Baixada Fluminense, e segue até o bairro de Vila Isabel, Zona Norte carioca, onde faz tratamento no Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe), a rotina de dificuldades é a mesma. Na estação onde embarca não há elevadores nem escadas rolantes, tornando, para o idoso, a acessibilidade um desafio diário. Para verificar as condições nesse aspecto, fiscais da Agetransp estão percorrendo, desde esta segunda-feira e durante dez dias, as 153 estações de trens, barcas e metrô do Rio.

— Lá não tem elevador, preciso ser levado no colo. De Deodoro para lá, nós ficamos esquecidos, abandonados. Conto com a ajuda de estranhos e de funcionários da SuperVia, que me carregam nos braços — afirma o idoso ao chegar à estação São Francisco Xavier, que possui com uma plataforma elevatória que conecta o subsolo à plataforma de embarque.

José Barbosa, de 78 anos: rotina de sufoco nas estações da Supervia
José Barbosa, de 78 anos: rotina de sufoco nas estações da Supervia Foto: Diego Amorim / Agência O Globo

Desníveis entre plataformas

Na Central, estação terminal de todos os ramais, o principal problema foram os desníveis entre plataformas e trens. Além disso, composições com portas quebradas e bancos soltos também foram verificadas pelos fiscais. Já na Praça da Bandeira, o pior cenário de acessibilidade: há apenas uma escada para entrada e saída dos passageiros, sem elevadores ou escadas rolantes até a plataforma. Da rua até a bilheteria, o acesso também é feito por meio de uma escada convencional.

Durante os dias de operação, os fiscais analisam as condições de funcionamento e a forma de utilização dos elevadores, escadas rolantes, plataformas, rampas e escadas fixas. O gerente da Câmara de Transportes e Rodovias da agência, José Luiz Lopes Teixeira, conta que será feito um diagnóstico das estações onde não há equipamentos de acessibilidade.

— Nós estamos atualizando os nossos dados para embasar um processo regulatório aberto na agência para normatizar a forma de acesso às estações e o atendimento à acessibilidade na Supervia, MetrôRio e na CCR Barcas. Com esse levantamento, nós vamos sentar com as concessionárias e com o Estado para ver a possibilidade de intensificar o investimento e adequar um cronograma de melhorias, considerando as dificuldades e a disponibilidade de recursos. Mas queremos, pelo menos, encaminhar as soluções mais necessárias — diz Teixeira.

Fiscais da Agetransp inspecionam elevador na estação Central do metrô
Fiscais da Agetransp inspecionam elevador na estação Central do metrô Foto: Gabriel Paiva / Agência O Globo

Na estação Maracanã da SuperVia, na Zona Norte, o aposentado Sandoval Lopes, de 66 anos, lamentou o impasse de chegar sozinho à plataforma, já que ele enfrenta problemas de saúde que reduziram a sua visão:

— Sozinho, eu não consigo embarcar no trem. Preciso de ajuda, mesmo tendo escadas rolantes e elevadores. Acho muito importante investir em acessibilidade e verificar se os serviços são realizados — afirma Lopes.

Procurada, a Supervia enviou uma nota:

“Em relação à fiscalização iniciada hoje (02/09) pela Agetransp, referente à acessibilidade no transporte público, a SuperVia respeita o trabalho do órgão e coloca-se à disposição para receber a documentação final e discutir os pontos observados”.

Problemas no metrô

Já no metrô, os fiscais encontraram uma escada rolante em manutenção na Central do Brasil, que, cerca de uma hora depois da visita, já estava em operação novamente. Todos os elevadores funcionavam adequadamente na estação. Segundo um dos agentes, a presença de um botão interno que controla as descidas e as subidas do equipamento concede a autonomia necessária a quem precisa do serviço. Placas com informações em braile e piso podotátil, que indicam o caminho a deficientes visuais, também foram analisadas pelos fiscais, que encontraram, na Central e na Praça Onze, peças em não conformidade (fora do lugar ou ausentes).

— São pequenas observações, de fácil solução — comentou um dos fiscais.

Estação da Central do Brasil em manutenção
Estação da Central do Brasil em manutenção Foto: Gabriel Paiva / Agência O Globo

Outro equipamento verificado são os de ajuda a usuários com mobilidade reduzida, chamados de SOS. Ao apertar o botão, um agente do metrô é acionado e vai até o ponto prestar auxílio a quem precisa. Na estação da Central do Brasil e também na Praça Onze, os aparelhos apresentaram falhas de audição. Os fiscais da Agetransp explicaram que o funcionário tem ciência do chamado, mas não consegue ouvir a voz do passageiro.

— Tem que fiscalizar mesmo. Nós passamos por estações sem qualquer acessibilidade, já vi cadeirantes e carrinhos de bebê sendo carregados no colo porque não conseguiam chegar à estação de trem. Quando os fiscais se afastarem mais do Centro, indo para a Baixada Fluminense ou então para a Zona Oeste, os problemas serão mais graves e frequentes — alerta a funcionária pública Margareth Passos Silva, de 48 anos.

Equipamento SOS também foi vistoriado
Equipamento SOS também foi vistoriado Foto: Gabriel Paiva / Agência O Globo

O Metrô Rio informou que “a acessibilidade é uma das prioridades” da empresa. Em nota, destaca ainda que relação aos pontos relatados, o MetrôRio informa que a escada rolante da estação Central teve uma parada pontual, e que a manutenção está atuando na comunicação sonora, que será restabelecida ainda nesta segunda-feira. Sobre os pisos táteis, a concessionária explica que a troca está prevista dentro de um programa de revitalização, que já contemplou as estações Flamengo, Largo do Machado, Presidente Vargas, Maracanã e São Cristóvão. “As demais estações fiscalizadas pela Agetransp estavam em situação regular”, completa o texto.

A Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência da OAB-RJ deverá acompanhar o trabalho da Agetransp nos próximos dias.

Fonte: Extra – Diego Amorim

Continuar lendo “Agetransp identifica problemas de acessibilidade em estações de trem e metrô”

Menina prende braço em escada rolante

A menina, de 5 anos, não tira a mão do corrimão ao chegar no fim da escada e, por essa razão, prende o braço Um vídeo que circula nas redes sociais mostra uma criança prendendo o braço em uma escada rolante. A menina, de 5 anos, não tira a mão do corrimão ao chegar no fim da escada e, por essa razão, prende o braço. … Continuar lendo Menina prende braço em escada rolante