Treinador Gustavo Luz ensina como inserir o exercício na sua rotina diária e queimar calorias, ganhar condicionamento e até acelerar o processo de emagrecimento. Veja!

EuAtleta - mulher subindo escada coluna gustavo (Foto: Getty Images)
Subir escadas pode ser uma boa saída para colocar os exercícios na sua rotina (Foto: Getty Images)

Subir escada é bom para emagrecer? Sim. Embora não seja um esporte, pode ser considerado um exercício aeróbico. Logo, bom para detonar calorias, queimar gordura e dar uma secada. Se você mora ou trabalha no segundo ou terceiro andar de um prédio, experimente ir deixando o elevador de lado aos poucos. Talvez você já comece a perceber a redução de algumas medidas em duas ou três semanas. E isso pode ser um gás extra para começar aquela alimentação mais equilibrada e potencializar o ganho de condicionamento e acelerar o processo de emagrecimento.

Mas como começar?

É preciso prestar atenção aqui. Independentemente do seu nível de condicionamento, se você nunca fez esse tipo de treino, vai ter que introduzi-lo na sua semana aos poucos. Aqueles que são mais condicionados provavelmente se adaptarão mais rápido. 

Se você está sedentário, uma sugestão é começar fazendo os treinos de escada pelo menos duas vezes na semana, caminhando mesmo. Se você tem à disposição oito andares de escada, por exemplo, suba dois andares, descanse 30 segundos, suba mais dois, descanse, e termine a escada. Desça de elevador. Você deve acabar o exercício se sentindo bem (por isso, se achar que esses oito andares podem ser muita coisa, comece com menos, sem problemas). Não adianta querer sair treinando na escada toda hora achando que isso vai melhorar a sua vida amanhã. Isso é um processo de adaptação, não existe milagre. Com o passar das semanas você pode diminuir o intervalo (ou subir direto sem parar), passa para duas, três ou mais subidas.

Vale também para quem já é atleta

E se você já pratica alguma atividade física e está em boa forma física, uma boa estratégia seria subir esses mesmos oito andares direto, caminhando ou trotando. Você talvez chegue lá em cima com a sensação de que daria para fazer isso mais algumas vezes, mas comece com calma. Mesmo treinando outros esportes há algum tempo, você também precisa acostumar seus músculos, tendões e articulações para esse exercício específico aos poucos. E com o passar dos treinos, para continuar motivado, suba de dois em dois degraus (ou três em três), desça correndo também, coloque a escada imediatamente após seu treino de corrida ou antes da musculação, por exemplo.

Fonte: Globo Esporte / Por Gustavo Luz

Processo de aquisição de uma peça foi aberto em junho de 2015, mas a compra direta foi liberada só agora.


Expositor de folhetos é colocado em frente ao equipamento que está quebrado. A Prefeitura só terá os dois principais elevadores em funcionamento em três semanasFoto: Rodrigo Montaldi/DL

Os três elevadores do Complexo Hospitalar da Zona Noroeste Doutor Arthur Domingues Pinto, que envolve a Maternidade Silvério Fontes e o Pronto-Socorro, em Santos, estão há meses quebrados, trazendo transtornos diários para centenas de pacientes que utilizam o equipamento.

Ontem, a Reportagem do Diário esteve no local e constatou que o descaso é tão grande que um expositor de folhetos foi colocado em uma das portas para garantir que nenhum usuário perca tempo aguardando o transporte.

Segundo informações extraoficiais, os elevadores estão condenados pela empresa responsável pela manutenção. A situação prejudica idosos, gestantes e pessoas que perderam mobilidade por conta de acidentes.

“Eu nunca vi estes elevadores funcionando e olha que costumo vir aqui para ser atendida e como acompanhante. Hoje, nem placa alertando que não funciona tem. Tem gente que chega de cadeira de rodas e tem que ser levado pelas escadas. Um absurdo total”, afirma Lívia Batista, que aguardava para ser atendida.

O caso de Adriana Silva José é grave. Ela conta que sua avó, de 91 anos, não pode andar e está internada no hospital há quatro dias sem poder fazer exames externos por conta da falta do equipamento. A neta explica que a idosa já passou mal, teve convulsões e precisa urgentemente dos exames para melhorar o atendimento.

“Ela precisa de uma tomografia, uma endoscopia e ultrassom. Só que está presa no segundo andar do hospital por conta da falta de elevadores. Já reclamei até na Ouvidoria da Prefeitura e nada, nem prazo me deram para colocar os elevadores em funcionamento. Fico imaginando casos mais complexos”, reclama Adriana.

Prefeitura

Procurados, os responsáveis pela Administração do Complexo não foram encontrados ontem à tarde pela equipe do Diário. A Prefeitura, por intermédio de sua assessoria de imprensa, informa que o elevador da marca Atlas ainda está na garantia e um técnico foi reparar o equipamento ontem.

Sobre o elevador próximo à administração do Complexo, a Prefeitura revela que está aguardando a conclusão do processo de compra de uma peça, que foi aberto em junho de 2015, mas o pregão eletrônico resultou em deserto. “E com esta justificativa, conseguimos aprovação da Procuradoria Jurídica para realizar a compra direta. Este processo está quase concluído e estimamos que, com a compra da peça concluída, o outro elevador estará em perfeito funcionamento até a primeira semana de novembro”, conclui nota, garantindo que, dentro de até três semanas, terá pelo menos dois elevadores em perfeito funcionamento no Complexo Hospitalar-da Zona Noroeste.

Fonte: Diário do Litoral

A vítima, que não foi identificada pelos bombeiros, foi socorrida para o HPS João XXIII.

Um pedreiro que trabalhava em uma obra de um apartamento no bairro Castelo, na região da Pampulha, em Belo Horizonte, ficou ferido na tarde desta quinta-feira (20) após ter o braço prensado em um elevador de carga.

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a corporação foi acionada por volta de 12h30 na rua Kannedy Maro Campos, em um prédio. Lá eles encontraram o homem com o braço bastante ferido e o socorreram ao Hospital de Pronto-Socorro (HPS) João XXIII.

Como a vítima não foi identificada pela corporação, a unidade de saúde não pôde precisar o estado de saúde do pedreiro. Uma moradora do prédio, que não quis ser identificada, conta que ele colocou materiais de construção no elevador de cargas, que é usado apenas para subir com as compras dos moradores.

"Não podia, já que material de construção é muito pesado. Pode ser que isso fez com que ele caísse e prensasse o braço dele. Ficou muito feio. Dizem que ele gritou muito alto, mas eu nem ouvi", conta a moradora.

Outro

Ainda na tarde desta quinta-feira, um outro trabalhador de 38 anos acabou ferido, desta vez após receber uma descarga elétrica na rua Lambari, no bairro Bonfim, na região Noroeste de BH. Ele foi eletrocutado devido à um andaime energizado.

Conforme os bombeiros, a vítima estava em um local de difícil acesso e, após ser resgatada pelos militares, foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A corporação não informou a gravidade dos ferimentos do trabalhador. A Cemig também foi acionada ao local.

Fonte: O Tempo / JOSÉ VÍTOR CAMILO

Inventado em 1860 no Reino Unido, é chamado de Fusca dos elevadores. Placa alerta que paternoster deve ser usado por ‘conta e risco do usuário’.

Se escada rolante é perigosa, agora imagine um elevador sem portas e que nunca para nos andares. Na Alemanha, ele é considerado uma relíquia.

O palavrão alemão é personenumlaufaufzüge: "elevador de pessoas circular". O apelido irônico: beamtenbagger; "escavadeira de funcionário público". Pode chamar de paternoster.
É um elevador diferente, inventado em 1860, no Reino Unido. Só que foi na Alemanha onde fez mais sucesso. Perguntei a um senhor o porquê.
Assim como o paternoster, ele nunca parou para pensar. Acha que tem a ver com a impaciência alemã e a eficiência desse transporte.
Ninguém espera nesse elevador. Nem ele. Essa indiferença fez do paternoster vítima dos regulamentos de segurança.
Em Stuttgart, o governo tentou proibir, chegou a comparar a guilhotinas.
Houve um clamor particularmente entre os funcionários públicos. Falaram que isso é uma relíquia; o Fusca dos elevadores.
O governo cedeu e voltou atrás. Mesmo assim, as regras de uso não fazem nenhum esforço para acalmar ninguém: a leitura obrigatória alerta que o elevador é para ser usado “por conta e risco do usuário".
Tem uma lenda urbana, que, parece, foi criada por Charles Chaplin, que diz que quando o elevador chega ao topo ou você é esmagado ou é virado do avesso. As crianças ficam horrorizadas. Engraçado que vai chegando perto do topo e esse barulho parece com o barulho de um coração acelerado.
Só resta rezar. E o nome paternoster é uma referência a uma das orações no rosário católico. O percurso do elevador lembra o encontro dos dedos nas contas grandes do Pai Nosso – em latim Pater Noster.
O transporte à moda antiga rivaliza com os elevadores modernos. Ele nunca ouviu aquele: "sobe" ou “desce”. Nunca assistiu àquele constrangimento clássico de elevador.
Mas o governo proíbe a fabricação de novos paternoster. Hoje, eles são peça rara: há menos de 250 na Alemanha. Poucos, mas que têm garantido é seu perpétuo movimento.

Fonte: Jornal Nacional – G1

Publicado por: jSaggiomo | 20/10/2016

Falha mecânica em elevador assusta servidores do Ipaseal


Edifício do Ipaseal Saúde

Funcionários do Instituto de Assistência à Saúde dos Servidores do Estado de Alagoas (Ipaseal), localizado na Rua Cincinato Pinto, no Centro, se assustaram na tarde desta terça-feira (11), após um elevador do prédio ter “despencado” com uma funcionária do órgão dentro.

A reportagem do CadaMinuto entrou em contato com a assessoria de comunicação do Ipaseal que informou que houve uma falha mecânica no momento em que o elevador descia do primeiro andar para o térreo de forma que ele bateu nos ferros e fez um barulho assustando quem estava perto.

Ainda de acordo com a assessoria, não havia uma mulher dentro do elevador, mas sim um ascensorista que conseguiu sair sem ferimentos e passa bem.

Servidores do órgão que preferiram não se identificar informaram à reportagem que os problemas nos elevadores dos prédios do Ipaseal são recorrentes e que temem utilizar os aparelhos, pois acreditam que é questão de tempo para algo mais grave acontecer.

Após o acontecimento, o Ipaseal chamou uma equipe de manutenção para consertar o elevador e garantir a segurança dos servidores do local.

Fonte: Cada Minuto / Por Raíssa França*

Divulgação/Bombeiros

Divulgação/Bombeiros

Um adolescente, que não teve a identidade divulgada, precisou ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros após cair em um fosso de um elevador desativado. O rapaz despencou de uma altura de 9 metros e sofreu ferimentos graves. O acidente ocorreu em um prédio abandonado em Conselheiro Lafaiete, na região Central de Minas Gerais, nessa quinta-feira (13).

De acordo com os socorristas, o adolescente estava com um grupo de amigos para gravar um clipe musical. Ele se distraiu e caiu no fosso do elevador. Ao todo, nove bombeiros e duas viaturas participaram do resgate no local, que era de difícil acesso.

O jovem foi levado para a Maternidade São José e o estado de saúde dele não foi divulgado a pedido da família.

Fonte: Bhaz / By Roberth Costa

Menina de seis meses despencou oito andares e morreu

Prédio no Brooklyn onde um bebê morreu após cair no poço do elevador, em Nova York
Prédio no Brooklyn onde um bebê morreu após cair no poço do elevador, em Nova York (CBS2/Reprodução)

Um bebê de seis meses morreu ao cair no poço do elevador de um edifício residencial em Nova York nessa quinta-feira, reportou o jornal New York Times.

De acordo com a polícia, uma mulher de 21 anos identificada como Haifa Ali, que mora do 23º andar, saiu de casa com filha Areej em um carrinho de bebê na manhã de ontem. Ela acionou o botão do elevador e, quando a porta abriu, empurrou o carrinho com a filha dentro, que despencou no poço até bater no topo do elevador, quebrado no 15º andar.

A menina foi levada ao hospital, mas foi declarada morta logo depois.

Fonte: Veja.com

Publicado por: jSaggiomo | 20/10/2016

Bebê morre após cair em fosso de elevador em Nova York

Portas se abriram mesmo com ascensor fora de serviço.


Engenheiro vistoria elevador em Berlim – Tobias Schwarz / Reuters

NOVA YORK — Um bebê de seis meses morreu depois que o carrinho em que estava caiu no fosso do elevador, informaram autoridades de Nova York. A menina Arrej Ali estava acompanhada da mãe, que ficou ferida sem gravidade na queda. As duas entraram no elevador sem que ele estivesse parado no 23º andar e despencaram oito andares até se chocarem contra o teto do ascensor.

De acordo com informações da Associated Press, as portas do elevador, que estava fora de serviço, se abriram fora da hora devida. Moradores do prédio, no Brooklyn, relataram à agência que o ascensor já havia apresentado defeitos em outras ocasiões.

— É a minha neta — contou à CBS Nova York o avô da menina, Salah Ali. — Ela tinha algo como um mês de vida.

O pai da menina, filho de Ali, estava devastado segundo avô da criança, já que a bebê era “sua primeira e única filha”.

Depois do acidente, o Departamento de Construções da cidade decidiu testar os outros elevadores no prédio para “assegurar que operassem com segurança”.

Fonte: O Globo

Homem fica preso em escada rolante na China
O acidente aconteceu enquanto o homem limpava as escadas rolantes.

Pequim – Um operário de limpeza de um shopping em Xangai (leste) ficou preso em uma escada rolante no fim de semana e seu pé teve que ser amputado, no segundo acidente que este tipo de aparelho causa na China em menos de uma semana, informou nesta segunda-feira a televisão estatal "CFTV".

O fato aconteceu na noite do sábado, quando o homem, de sobrenome Zhang e de 35 anos, estava limpando escadas rolantes no centro comercial Longemont.

No extremo superior das escadas, seu pé esquerdo ficou preso entre os degraus e a prancha metálica onde estes terminam, o que obrigou equipes médicas e de bombeiros a ir até o local e resgatar Zhang.

O homem foi mais tarde internado em um hospital, onde seu pé teve que ser amputado devido aos graves ferimentos sofridos, segundo informaram fontes do centro médico.

Um comunicado do shopping onde o fato aconteceu culpa o próprio Zhang pelo acidente, por colocar-se "de forma inadequada" em cima da escova e deixar que esta ficasse travada entre os degraus e as pranchas metálicas da parte superior, o que causou uma avaria na maquinaria.

Trata-se do segundo acidente grave com uma escada rolante em menos de uma semana, depois que no dia 26 de julho uma mulher de 30 anos, Xiang Liujuan, morreu ao cair na parte superior de outro destes aparelhos, porque a prancha metálica do alto estava solta.

Em ambos os casos os acidentes foram gravados por câmeras de segurança e foram divulgadas rapidamente pela internet, o que contribuiu para gerar um amplo debate na China sobre possíveis falhas na manutenção de escadas rolantes e elevadores de todo o país.

Também no fim de semana passado uma criança de seis anos ficou presa em uma escada rolante de um centro comercial de Pequim, embora em seu caso só tenha sofrido ferimentos leves, segundo o jornal local "Beijing News". EFE

Assista ao vídeo registrado pelas câmeras de segurança do shopping. As imagens são fortes:

Fonte: Exame

O cadeirante Cledson Cruz é auxiliado por um segurança no Campo da Pólvora - Foto: Marco Aurélio Martins l Ag. A TARDE
O cadeirante Cledson Cruz é auxiliado por um segurança no Campo da Pólvora.

A demora para a conclusão do conserto do elevador que dá acesso à estação de metrô do Campo da Pólvora, no bairro de Nazaré, tem causado transtornos a deficientes físicos que precisam utilizar o equipamento.

Conforme o presidente da Associação Municipal e Metropolitana de Pessoas com Deficiência (Ampdef), Cledson Cruz, representantes da entidade constataram que o elevador teve o funcionamento paralisado há cerca de 20 dias.

De acordo com informações da assessoria de comunicação da CCR Metrô Bahia – concessionária que administra o sistema metroviário -, o equipamento está em manutenção desde o início da última semana. A previsão é que o elevador seja liberado para uso na próxima segunda-feira.

Segundo Cledson Cruz, que também é cadeirante, para ter acesso ao metrô, é necessário solicitar ajuda dos seguranças e funcionários da CCR Metrô Bahia para que seja transportado por meio das escadas rolantes.

No entanto, tal alternativa, segundo ele, é muito desconfortável para os deficientes físicos, pois é preciso aguardar para que um funcionário esteja disponível para levá-lo até o embarque do metrô.

A reportagem de A TARDE acompanhou, na manhã desta sexta-feira, 31, o acesso de Cledson à estação. Para que ele chegasse ao embarque, foi necessário aguardar por 20 minutos até que um segurança o auxiliasse na descida.

"Muitas vezes, temos compromissos, com horários e, por conta da carência do elevador, acabamos nos atrasando porque temos que aguardar alguém disponível para fazer essa tarefa", afirmou.

Ele conta que, ainda que o funcionário auxilie, não se sente confortável na descida à estação. "Tenho medo de cair. Algumas vezes, o funcionário não suporta carregar o nosso peso. No meu caso, precisei trocar de cadeira, o que me deixou ainda mais inseguro", disse.

A dificuldade de Cledson foi compartilhada pela estudante de enfermagem Vanessa Santana, 29, que, por conta de um acidente, precisa utilizar duas muletas para caminhar. "Tenho que segurar as duas muletas e me equilibrar nas escadas. É muito difícil", contou.

Novas estações

Ainda segundo a concessionária, as seis estações de metrô em funcionamento – Lapa, Campo da Pólvora, Brotas, Acesso Norte, Retiro e Bom Juá – contam com elevadores para o acesso livre de deficientes físicos.

Conforme a CCR, todos os funcionários das estações estão aptos a auxiliar deficientes e passageiros com dificuldades de locomoção. Segundo a empresa, tanto as novas estações da linha 1 quanto as da linha 2 contarão com equipamentos de acessibilidade.

Fonte: A Tarde – Luana Almeida / Marco Aurélio Martins l Ag. A TARDE

« Newer Posts - Older Posts »

Categorias

%d blogueiros gostam disto: